Notícia

Ver notícia

Mais de 80 milhões de litros de água contaminada com esgoto deixaram de cair no ecossistema todos os dias e vida marinha renasce

“Golfinhos, raias e tartarugas-verdes. É cada vez mais comum encontrar esses animais na Baía de Guanabara nos últimos anos”. A fala é do diretor do Instituto Mar Urbano (IMU), o biólogo, fotógrafo e cinegrafista Ricardo Gomes, que há 30 anos mergulha e filma um dos mais belos ecossistemas do mundo. “Muito se fala dos problemas da baía, mas já posso afirmar que vejo um aumento na vida marinha e águas cada vez melhores para o mergulho, principalmente na enseada de Botafogo e Urca”, afirmou.

A fala de Ricardo vai ao encontro das ações da Águas do Rio, que desde que entrou em operação, em novembro de 2021, vem recuperando estações de tratamento e de bombeamento de esgoto, tubulações, registros e outras estruturas. O trabalho está  tornando o sistema de esgotamento sanitário mais eficiente e seguro, ampliando sua capacidade de coletar e tratar o efluente gerado na Região Metropolitana do Rio.

Com isso,  cerca de 82 milhões de litros de água contaminada com esgoto deixaram de cair nas praias oceânicas e da Baía de Guanabara.

“A recuperação dos sistemas de coleta e tratamento de esgoto existentes já nos trouxe resultados positivos com águas mais limpas e sucessivos relatórios do Inea mostrando períodos cada vez maiores de balneabilidade em praias historicamente poluídas da Baía de Guanabara, como Flamengo e Urca. Isso significa que quando fazemos a nossa parte, ou seja, trabalhamos com foco na despoluição da baía, a natureza faz a dela e se regenera”, explicou o Vice-Presidente da Aegea, holding da Águas do Rio, Alexandre Bianchini, em painel sobre saneamento básico e o futuro da Baía de Guanabara na edição 2024 do Global Ocean Day, realizado no Museu do Amanhã, no último sábado (8/06).

Maior projeto ambiental dentro da concessão fluminense, a recuperação da Baía de Guanabara é um processo gradativo. De acordo com o Marco Legal do Saneamento, a Águas do Rio tem até 2033 para universalizar o esgotamento sanitário, ou seja, coletar e tratar o esgoto de 90% da população, em todos os 27 municípios em que a concessionária atua, o que inclui as cidades no entorno da baía. O investimento vai somar R$12 bilhões. 

Ações inéditas de esgotamento sanitário protegem praias e baía

Uma das grandes ações da Águas do Rio foi a  desobstrução do Interceptor Oceânico, túnel de 9 km de extensão responsável por coletar grande parte do esgoto da Zona Sul e direcioná-lo para o Emissário Submarino de Ipanema. Após 52 anos sem  limpeza e manutenção, cerca de 3 mil toneladas de resíduos foram removidas, permitindo que o coletor operasse em sua capacidade máxima. Essa intervenção foi fundamental para prevenir extravasamentos e contribuir para a melhoria da qualidade das praias, como a do Flamengo.

A concessionária também vem recuperando as estações de tratamento de esgoto (ETES). 

A ETE Alegria, no Caju, a maior do estado, cujo efluente deságua na Baía de Guanabara, aumentou ainda mais sua vazão, após interligação do tronco coletor de Manguinhos, realizada em junho de 2023, pelo Governo do Estado. Com 4,6 km de extensão, ele receberá o esgoto de aproximadamente 600 mil moradores da região, levando o efluente para tratamento na ETE Alegria.

Compartilhar:

Veja Também

Responsabilidade Social Saiba mais
Responsabilidade Social

A atuação social e ambientalmente responsável faz parte da nossa história e do nosso propósito.

Legislação e Tarifas Saiba mais
Legislação e Tarifas

Os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário implicam em custos e investimentos permanentes.

Esgotamento Sanitário Saiba mais
Esgotamento Sanitário

A Águas do Rio trabalha 24h por dia para ampliar e melhorar o saneamento nas regiões onde atua.

Serviços Programados Saiba mais
Serviços Programados