Notícia

Ver notícia

Série de encontros será realizada em escolas públicas do Rio

 

A primeira ideia que vem à mente quando falamos em pobreza menstrual é a distribuição gratuita de absorventes. Porém, ao ampliarmos a discussão, fica fácil perceber a relação entre esse problema de saúde pública e o saneamento básico. O acesso aos serviços de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto é fundamental para a realização da higiene íntima e pessoal, e esse é um dos principais pontos da discussão sobre o assunto. Entre as adolescentes, uma das consequências da pobreza menstrual é a evasão escolar

No Dia Internacional da Mulher, a Águas do Rio iniciou hoje (08/03) na Escola Municipal Deputado Hilton Gama, na Pavuna, uma série de encontros para promover o debate sobre o tema com adolescentes de 13 a 17 anos. Durante o mês de março, esta sensibilização será levada para mais 400 alunos em escolas da rede pública municipal. Além da conversa, as turmas dos ensinos fundamental e médio também participaram de uma oficina de pintura sobre a temática.

“Muitas meninas improvisam e substituem itens de higiene por outros mais acessíveis, como pedaços de pano, miolo de pão e jornais, o que pode causar alergias, infecções e até problemas mais graves. O entendimento do próprio corpo e o conhecimento do ciclo menstrual fazem parte dos assuntos que abordamos na roda de conversa. O acesso à informação, através de ações educativas é um grande passo para avançarmos no debate sobre a pobreza menstrual e a importância dos serviços de saneamento básico”, explica a analista de Responsabilidade Social da Águas do Rio, Dayane Medeiros.

O abandono das aulas está diretamente ligado à falta de itens para realizar a higiene adequada durante o período menstrual, como por exemplo, papel higiênico, sabonetes e absorventes. Até mesmo questões estruturais, como a falta de banheiros individuais e de água nas instalações das escolas impactam na abstenção. Outro fator tem relação com a estigmatização da menstruação, que afeta a saúde mental em função da discriminação em situações que causam constrangimento e humilhações, principalmente entre as mais jovens.

Ana Paula Barbosa, aluna do 9º ano, participou da ação e comentou sobre a importância do tema ser tratado também com os meninos. “Na escola onde eu estudava nunca foi falado sobre esse assunto. Eu não sabia a relação entre menstruação, água e saneamento. Descobri isso hoje. Por isso, esse assunto deveria ser falado em todas as escolas, não só para as meninas, mas principalmente para os meninos, como aconteceu aqui, porque eles também convivem com a gente na escola”, comenta Ana Paula.

 

Compartilhar:

Veja Também

Política de Sustentabilidade Saiba mais
Política de Sustentabilidade

Respeito ao meio ambiente e as pessoas, contribuindo para qualidade de vida e saúde da população onde atuamos.

Contatos Saiba mais
Contatos

O serviço de atendimento da Águas do Rio funciona 24 horas por dia, sete dias por semana.

Responsabilidade Social Saiba mais
Responsabilidade Social

A atuação social e ambientalmente responsável faz parte da nossa história e do nosso propósito.

Esgotamento Sanitário Saiba mais
Esgotamento Sanitário

A Águas do Rio trabalha 24h por dia para ampliar e melhorar o saneamento nas regiões onde atua.