Notícia

Ver notícia

Plano de ações, que envolve Águas do Rio, Estado e órgãos municipais, inclui ampliação de monitoramento da água, retirada de plantas aquáticas e pesca de espécie de peixe sensível à falta de oxigênio

Em um ano que começou atípico e já é marcado por altas temperaturas, diversos agentes estão mobilizados numa força-tarefa dedicada à preservação do ecossistema da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul carioca. Com o calor reduzindo os níveis de oxigênio da lagoa, a Águas do Rio, junto com a Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade, Inea, Fundação Rio-Águas, Comlurb, o biólogo Mário Moscatelli e a Colônia de Pescadores Z13, iniciaram nesta semana um plano de preservação preventiva.

A iniciativa inclui a realização da pesca extraordinária das savelhas, espécie de peixe particularmente sensível ao calor e a sua consequente redução da disponibilidade de oxigênio na água. Nestas situações, a savelha é uma das primeiras a morrer, podendo dar início a uma cadeia de problemas que colocam em risco todo o ecossistema local. A última vez que isso aconteceu foi em 2019, antes das melhorias no esgotamento sanitário feitas pela concessionária Águas do Rio no entorno dela.

Além da pesca extraordinária, autorizada pelo Inea e que deve acontecer ao longo do ano, o trabalho conjunto de órgãos e da concessionária inclui o monitoramento constante dos níveis de oxigênio, feito pela Fundação Rio-Águas em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Clima, e a retirada da vegetação aquática (Ruppia Maritima) pela Comlurb.

“A Lagoa Rodrigo de Freitas, que hoje tem águas cristalinas por causa das nossas ações, precisa de um cuidado extra durante o verão. Esse trabalho não pode ser feito apenas por um agente, mas pela união de esforços, e é o que estamos fazendo agora, com previsão de acontecer todos os anos”, afirmou Sinval Andrade, diretor Institucional da Águas do Rio. 

Savelhas se tornarão base de ração de animal

A savelha é uma espécie pouco consumida pela população por conta do seu gosto forte e excesso de espinhas e, por isso, não possui valor comercial para os pescadores.

Para que os peixes pescados não terminem em um aterro sanitário, a Águas do Rio fechou parceria com a empresa Patense, que transformará os peixes em rações balanceadas de animais.

Ações no esgotamento sanitário

Desde que iniciou a operação do saneamento na Zona Sul carioca, a Águas do Rio vem recuperando todo o sistema de esgotamento sanitário da região, incluindo a reforma das 13 elevatórias de esgoto no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas responsáveis por bombear o efluente para o Emissário Submarino de Ipanema. Com as ações, mais de 5 milhões de litros de esgoto deixaram de cair nela todos os dias. O resultado tem sido uma água límpida e o retorno de várias espécies de animais para o ecossistema.

Além disso, a empresa atua fortemente na fiscalização de despejo irregular de esgoto nos canais e rios que a alimentam e a conectam com o mar, contando com uma parceria firmada com o Inea.

Compartilhar:

Veja Também

Responsabilidade Social Saiba mais
Responsabilidade Social

A atuação social e ambientalmente responsável faz parte da nossa história e do nosso propósito.

Viabilidade de Empreendimento Saiba mais
Viabilidade de Empreendimento

Viabilidade de Empreendimentos

Comunicados Saiba mais
Comunicados

Fique por dentro do que acontece na Águas do Rio com informações sobre abastecimento, obras, programas, projetos e muito mais.

Documentos Saiba mais
Documentos

Aqui você encontra os relatórios, arquivos e documentos de interesse público da Águas do Rio.